Highslide for Wordpress Plugin

PARÓQUIA
São Judas Tadeu

Rua Antonina, 32 - Ipe II Mogi Guaçu, SP | Tel: (19) 38917218 | E-mail: pasj03@hotmail.com

Pastoral dos Coroinhas

PrintTarcísio era acólito, isto é, coroinha na Igreja, servindo ao altar nos serviços secundários, acompanhando o próprio papa na celebração eucarística.

No decorrer da terrível perseguição de Valeriano, muitos cristãos estavam sendo presos, processados e condenados a morte. Nas tristes prisões a espera do martírio, os cristãos desejavam ardentemente poder fortalecer-se com Cristo Eucarístico, chamado viático, isto é, conforto na viagem para a eternidade. O difícil era conseguir entrar nas cadeias para levar o conforto eucarístico. Já os dois diáconos, Felicíssimo e Agapito que, disfarçados, cumpriam este piedoso ofício, no fim, foram reconhecidos como cristãos e condenados à morte. Nas vésperas de numerosas execuções de mártires, o Papa Sisto II não sabia como levar o Pão dos Fortes aquelas heróicas testemunhas de Cristo na cadeia.

Foi então que o acólito Tarcísio, com cerca de 12 anos de idade, ofereceu-se dizendo pronto para esta piedosa tarefa. Às objeções sobre sua tenra idade, sobre o grave perigo da morte, Tarcísio rebatia com convicção: que a pouca idade podia até favorecer sua entrada nas prisões, passando desapercebido, como se fosse um parente próximo de algum condenado ao martírio. Relativamente ao perigo, Tarcísio afirmava que se sentia forte, disposto antes a morrer do que entregar as Sagradas Hóstias aos pagãos.

Comovido por esta coragem, o papa entregou numa caixinha de prata as Hóstias que deviam servir como viático aos próximos mártires. Mas, passando Tarcísio pela Via Ápia, a grande estrada ao lado das quais se encontram as catacumbas, uns rapazes  notaram sua estranha compostura. Começaram a indagar o que trazia, já suspeitando algum segredo dos cristãos. Ele, porém, julgando ser coisa indigna entregar, no dizer do evangelho, pérolas aos porcos, negou-se terminantemente. Foi, então, por eles batido e depois apedrejado.

Depois de morto, revistaram-lhe o corpo, nada achando do Sacramento de Cristo.

Seu corpo foi recolhido por um soldado, ocultamente cristão, de nome Quadrado, que o levou às catacumbas, onde recebeu honorífica sepultura.

Ainda se conservam nas catacumbas de São Calisto inscrições e restos arqueológicos que atestam a veneração que São Tarcísio conquistou  na Igreja Romana. Eis de que heroísmo foi capaz a fé crista mesmo nos jovens.

Tarcísio foi declarado padroeiro dos coroinhas ou acólitos, que servem o altar. Sua figura tão comovente desperte em nós o devoto acolhimento do augusto mistério do Cristo presente, entre nós, na eucaristia.

Fonte:Pastoral dos Coroinhas


Coordenadora:

Teresinha

Imprimir

Horários das Missas VEJA +

Terça, Quinta e Sexta: 7h Quarta: 19h Sábado: 18h30 Domingo: 7h, 8h, 9h e 19h

Liturgia Diária

Evangelho: Lucas 21, 29-33

Santo: São Tiago das Marcas

Publicações VEJA +
Enquete
Quais trechos da Bíblia você consulta mais?
Ver o resultado